http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20105391

Neste estudo avaliou-se o conhecimento em nutrição e noções práticas de modificação de estilo de vida em profissionais de saúde distribuidos por 30 instituições médicas. Menos de 10% dos inquiridos revelou conhecimentos aceitáveis de dieta e alteração de estilo de vida, suficientes para fornecer orientações práticas ao doente. Se pensarmos que as principais doenças crónicas, incluindo o cancro, estão predominantemente relacionadas com hábitos de vida, podemos imaginar o impacto que tem na saúde pública este desconhecimento tão acentuado. O envolvimento do doente na alteração das condições que levam à doença consiste numa prática médica que muitas vezes falha no acompanhamento médico. Este estudo revelou que a maioria dos profissionais de saúde inquiridos parecem promover conceitos teóricos de modificação de estilo de vida mas experimentam dificuldades em fornecer conselhos práticos ao doente. O estudo conclui que a formação académica dos profissionais de saúde deveria incluir suficiente formação em modificação de estilo de vida, em particular aconselhamento de dieta, atividade física e cessação de fumar. Conclui também esses mesmos profissionais já em funções profissionais deveriam estar continuamente atualizados e em formação contínua.

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20105391

2017-10-24T16:43:30+00:00 0 Comments

Leave A Comment

1 × 2 =