Dia 20 de Julho teremos em Lisboa, no Centro de Psicoterapia Somática em Biossíntese, mais um Workshop onde faremos uma apresentação acerca da importância da alimentação na prevenção e tratamento complementar do cancro. Trata-se de informação prática, fundamentada e baseada em evidências. Destina-se a todos aqueles que lidem, já tenham lidado ou não queiram vir a lidar com esta doença.

“Segundo os números oficiais atualmente disponíveis, 30 a 40% de todos os cancros estão relacionados com a alimentação. Se somarmos a isso mais 30% de cancro que estão relacionados com o tabagismo podemos facilmente perceber que pelo menos 60 a 70% de todos os cancros poderiam ser evitados se alterássemos esses fatores de risco. Estudos recentes mostram que não só a alimentação tem um papel importante no desenvolvimento do cancro, como pode afetar positivamente a sobrevivência após o diagnóstico, diminuindo em alguns casos as probabilidades de recidiva. O que comemos todos os dias interfere de forma determinante na origem mas também na resolução deste e de muitos outros problemas de saúde”.

http://www.schoolbiosynthesis.com/index.php?Pagina=admin%2Fmodulos%2Fdestaques%2Fver_destaque&ID=130&Lingua=pt

Os números oficiais dizem-nos que pelo menos 1/3 de todos os cancros são causados por questões relacionadas com a alimentação. Alimentarmos o nosso corpo representa uma atividade da qual depende uma boa qualidade de vida. Longe de representar apenas um aporte calórico destinado a dar energia e tirar a fome, os alimentos são e devem ser entendidos como medicamentos com propriedades muito específicas, desenvolvidas ao longo de milhares de anos pelos processos naturais da evolução biológica.

Esta mudança de paradigma urge numa sociedade onde a alimentação deixou de ser vista como um instrumento terapêutico central da nossa relação com a doença, e onde se verificam números alarmantes na incidência de cancros e doenças degenerativas. Os números dizem-nos que 1 em cada 3 mulheres e 1 em cada 2 homens terá cancro até ao final da sua vida. Recentes estudos epidemiológicos mostram claramente a relação que existe entre a incidência de certos tipos de cancro e os hábitos de alimentação característicos de cada cultura. A dieta ocidental pode mesmo ser hoje considerada a dieta que reúne os maiores fatores de risco que são possíveis de combinar numa só refeição.

“Depois de tudo o que aprendi ao longo destes anos de investigação, se me pedissem hoje para elaborar uma dieta que promovesse ao máximo o desenvolvimento do cancro, eu não teria nada a acrescentar à nossa alimentação atual!”
Dr. Richard Beliveau

Trata-se pois de uma questão de responsabilidade não só individual mas também social e global reeducarmo-nos no sentido de uma alimentação mais consciente, respeitando uma das premissas basilares do pai da Medicina Ocidental, Hipócrates: “Que o teu Alimento seja o teu Medicamento”.

Assumindo que os alimentos de origem vegetal representam a melhor fonte de substâncias com reconhecidas propriedades anticancerígenas, propomo-nos neste workshop conhecê-los melhor, o modo como atuam e interferem nos mecanismos biológicos do cancro e sugestões saborosas de os preparar numa autêntica refeição anti-cancro. Façamos então da nossa cozinha uma verdadeira farmácia, aliando estes poderosos alimentos a uma experiência de texturas e sabores igualmente prazerosa.

“Precisamos de começar a perguntar-nos o que podemos fazer por nós. Nós podemos tomar o nosso poder (empower ourselves) e fazer as coisas que os médicos não podem fazer por nós, o que significa usar o conhecimento para tomar medidas. O que nós comemos é na realidade a nossa quimioterapia 3 vezes por dia.”
Dr. William Li, TED.

Tópicos a serem desenvolvidos:
– Factos e Números sobre o Cancro.
– Recomendações Oficiais sobre Cancro e Alimentação.
– Carcinogénese – mecanismos biológicos do cancro.
– Principais Alimentos Anti-Cancro.

Com: Gabriel  Mateus
Data: 20 de Julho de 2012 (sexta-feira)
Horários: 18h30 às 22h
Local: C.P.S.B. – Av. 5 de Outubro, nº 122 – 5º Esq.
Investimento: 10€ Associados e 15€ não Associados
Receitas para o Projecto SAFIRA

Confirmação obrigatória: 21 793 53 26 ou geral@cfpsb.com 

Inscrições limitadas

2017-10-24T16:43:29+00:00 1 Comment

One Comment

  1. voza0db 8 Julho, 2012 at 1:53 - Reply

    Olá a Todos…

    Este tema é fascinante… Porque o mesmo é a constatação de algo que agora não vou referir.
    Mas falemos de alimentos… Graças a nossa infinita capacidade de destruir os ECOSSISTEMAS do Planeta, e de assim estarmos a destruir os nossos suportes básicos de VIDA, embora muitos acreditem que BETÃO/ALCATRÃO/AÇO são os elementos fundamentais da VIDA MODERNA, mas isto é outra estória… o certo é que actualmente e graças a uma utilização massiva de produtos fitofarmacêuticos, tenho grandes dúvidas de que se consigam adquirir facilmente produtos livres de agentes cancerígenos…
    Infelizmente para todos nós continuamos apenas a procurar tratar os efeitos da intoxicação do nosso organismo, que debilita o nosso fabuloso sistema imunitário, o que leva a que o mesmo seja incapaz de fazer o seu serviço, e neste caso específico, manter-nos livres de células “avariadas” para simplificar, ou seja, ele deixa de ser capaz de evitar o surgimento do cancro.
    Como já não somos capazes de alterar o RUMO catastrófico da nossa Civilização, por mais que tentemos mascarar os efeitos, se não procurarmos efectivamente eliminarmos as CAUSAS, nunca conseguiremos voltar a ter uma quase inexistência de casos de cancro…
    E sobre as causas tenho um bom exemplo recente:
    Contactei as entidades Ministério da Saúde ( e as várias ARS) e a Liga Contra o Cancro (Geral, Norte e Sul) com a seguinte exposição/pedido:
    “Muito bom dia,

    Agora que a Organização Mundial de Saúde, através da sua Agência Internacional para a Pesquisa do Cancro, acaba de incluir no Grupo 1 dos agentes carcinogénicos os “gases de escape dos veículos com motores a diesel”, e sendo que neste grupo está igualmente o nosso querido e estimado tabaco (eu nunca fumei, para que conste), adorava saber, e que me informassem por esta via, quais as medidas que os senhores especialistas da área estão a considerar tomar e a levar a bom termo para reduzir a “emissão de gases de escape de veículos com motores a diesel”, em especial nos centros urbanos, e quanto mais rápido melhor, penso eu!

    Devo já referir que não espero outra postura da vossa parte que não a mesma, senão até mais intensa, que a que têm relativamente ao tabaco.

    Fico a aguardar notícias, pois relativamente a este assunto, notícias é coisa que nem vê-las ou ouvi-las ou lê-las! Está em Portugal um silêncio deveras estranho relativamente a este assunto.

    Não se esqueçam que foi a ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE, à qual vocês obedecem cegamente, que chegou a esta conclusão de que os “gases de escape de veículos com motores a diesel” são agentes carcinogénicos e que podem causar cancro do pulmão!

    Espero que este meu curto e-mail não seja alvo de desprezo!”

    Pois bem, já vai para um mês e NADA… Nem uma daquelas respostas da TRETA a informar que leram e que está em análise… Tive apenas o desprezo como é lógico…

    Curiosamente no prédio onde mora a minha mãe foram largadas umas quantas cartas da “Liga Portuguesa Contra o Cancro” (núcleo regional do norte) a pedir dinheiro…

    Posso assim começar a concluir que o objectivo é, para não variar, o mesmo de sempre… DINHEIRO! Pouco importa na realidade a SAÚDE das pessoas…

    Para terminar, espero que nesta apresentação apontem para locais onde se possam adquirir alimentos minimamente livres de químicos…
    Um Abraço

Leave A Comment

4 × five =